Os amores de Moulin Rouge

0
1908

Cuidado, esse texto contém Spoiler do filme Moulin Rouge!

Quem aí não se apaixonou e torceu pelo lindo casal composto por Satine (Nicole Kidman) e Christian (Ewan McGregor)? O longa metragem de 2001, dirigido por Baz Luhrmann, vai muito além de belos figurinos e músicas empolgantes; é também um excelente modo para aprendermos um pouco mais sobre análise do comportamento!

A história do musical é sobre um jovem escritor (Christian) que, contrariando as opiniões do pai, muda-se para Paris a fim de viver de acordo com os ideais boêmios (beleza, liberdade, verdade e amor, acima de tudo o amor!). Lá ele conhece um grupo de artistas e por um feliz acaso, acaba se apaixonando por Satine, a maior estrela do famoso cabaré Moulin Rouge. Mas é claro que nem tudo são flores! Satine encanta também o rico Duque de Monroth e a trama entre os amores se desdobra através de risos, danças, alegrias e até morte. Afinal, o que é o amor senão todas as aventuras juntas?! O que diz a Análise do Comportamento e a TCR sobre esse inebriante sentimento?

Guilhardi (2015) afirma que o amor envolve comportamentos e sentimentos dos três níveis de seleção propostos por Skinner: 1º Nível) Filogenético – comportamentos selecionados que são próprios de cada espécie (neste caso, o componente erótico); 2º Nível) Ontogenético – comportamentos selecionados no processo de desenvolvimento de cada indivíduo (história de vida e de contingências de reforçamento) e 3º Nível) Cultural – comportamentos selecionados tem como finalidade a sobrevivência do grupo social (aqui, amar o outro mais que a si mesmo). O indivíduo no qual prevalece o Primeiro e Segundo Níveis de Seleção (Filogenético e Ontogenético) terá um comportamento dito egoísta, impulsivo, sensorial, entre outros. Portanto, quando pensamos na interação desses três níveis de seleção, chegamos ao seguinte resumo:

Primeiro Nível: Erotismo, paixão.

Segundo Nível: amizade egoísta, sensorial.

Primeiro + Segundo Níveis: Amor erótico, no qual prevalecem egoísmo e relações de poder.

Terceiro Nível: Amizade, admiração, maturidade.

Terceiro + Segundo + Primeiro Níveis: Amor maduro, respeito de ambas as partes, há amizade e também erotismo.

Voltando então ao filme, vamos refletir sobre como cada personagem ama e de quebra entender melhor toda essa teoria?

O amor de Duque por Satine pode ser entendido como Primeiro e Segundo níveis, ou seja, não há verdadeiro amor e sim paixão, desejo erótico. Duque se mostra bastante egoísta, já que não se importa com o sentimento e sofrimento da “amada”. É bastante individualista ao comprar a cortesã em troca de fama e sucesso, mostrando todo o seu poder em relação a ela.

Podemos pensar também no “amor” que Satine sente pelo Duque, já que esta se aproxima dele somente pela possibilidade de fama e dinheiro, ou seja, seu próprio bem-estar. Logo, primeiro e segundo níveis.

E o amor entre Satine e Christian? Ah, esse é o belo amor dos três níveis de seleção juntos! Um amor que contém, além de erotismo, admiração, respeito e companheirismo! O bem do outro é mais importante que o próprio bem-estar! Isso fica bastante claro no momento em que Satine diz que não ama Christian e prefere o Duque, pois ela sabe que o vilão poderá matá-lo. Ela o afasta para salvá-lo da morte!

O filme vale à pena e o aprendizado mais ainda! Portanto, prepare a pipoca e divirta-se com essa bela aula de Análise do Comportamento!

REFERÊNCIA

Guilhardi, H.J. (2015). Interações Amorosas Sob Uma Perspectiva Comportamental. Disponível em: http://www.itcrcampinas.com.br/txt/interacoesamorosas.pdf

 

Dúvidas, Críticas ou Sugestões? Escreva um comentário, queremos saber sua opinião!

comentários

COMPARTILHAR
Alice Frungillo Lima
Psicóloga (CRP 06/125168) formada pela Universidade Federal de São Carlos, terapeuta comportamental, especialista em Terapia por Contingências de Reforçamento. Tem experiência com atendimento de crianças, adolescentes e adultos e acompanhamento terapêutico nas áreas de habilidades sociais, manejo de contingências e hábitos de estudo. Atualmente trabalha na área clínica no Instituto de Terapia por Contingências de Reforçamento (ITCR - Campinas) e na Sociedade Campineira de Atendimento ao Deficiente Visual (Pró-Visão) com atendimentos para deficientes visuais e família. É supervisora de atendimentos clínicos no curso de Formação de Terapeutas Comportamentais no ITCR – Campinas, além de monitora do curso de Princípios Avançados do Comportamento do Curso de Especialização em Terapia Comportamental.